terça-feira, 28 de dezembro de 2010

EPIFANIA DO SENHOR


Diz a Sagrada Escritura
Que, quando Jesus nasceu,
No céu, fulgurante e pura,
Uma estrela apareceu.

Estrela nova ... Brilhava
Mais do que as outras; porém
Caminhava, caminhava
Para os lados de Belém.

Avistando-a, os três Reis Magos
Disseram: “Nasceu Jesus!”
Olharam-na com espanto,
E seguiram a sua luz.

E foram andando, andando,
Dia e noite a caminhar;
Viam a estrela brilhando,
sempre o caminho a indicar.

Ora, dos três caminhantes,
Dois eram brancos: o sol
Não lhes marcara os semblantes
Tão claros como o arrebol.

Era o terceiro somente
Escuro de fazer dó ...
Os outros iam na frente;
Ele ia afastado e só.

Nascera assim negro, e tinha
A cor da noite na tez :
Por isso tão triste vinha...
Era o menos belo dos três !

Andaram. E, um belo dia,
Da jornada o fim chegou;
E, sobre uma estrebaria,
A estrela errante parou.

E os Magos viram que, ao fundo
Do presépio, vendo-os vir,
O Salvador deste mundo
Estava, lindo, a sorrir

Ajoelharam-se, rezaram
Humildes, postos no chão;
E ao Deus - Menino beijaram
A alava e pequenina mão.

E Jesus os contemplava
A todos com o mesmo amor,
Porque, olhando-os, não olhava
A diferença da cor...

Poema popular (adapt.)
Publicada por Seminário do Fundão em 3:56 PM 1 comentários Etiquetas: Poesia

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

PALAVRA DO SENHOR PARA O DIA DE HOJE COM OS ARAUTOS DO EVANGELHO





Evangelho segundo São João 20,2-28
No primeiro dia da semana, 2Maria Madalena saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010.
SANTO DO DIA: Festa da Sagrada Família, Jesus, Maria e José; São João Evangelista; Beato José Maria Corbín Ferrer, mártir
Primeira Leitura: Primeira carta de São João 1,1-4
Início da Primeira Carta de São João:
Caríssimos: 1O que era desde o princípio, o que nós ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos tocaram da Palavra da Vida, 2- de fato, a Vida manifestou-se e nós a vimos, e somos testemunhas, e a vós anunciamos a Vida eterna, que estava junto do Pai e que se tornou visível para nós -; 3isso que vimos e ouvimos, nós vos anunciamos, para que estejais em comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. 4Nós vos escrevemos estas coisas para que a nossa alegria fique completa.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus


Salmo 96
Deus é Rei! Exulte a terra de alegria, e as ilhas numerosas rejubilem! Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, que se apoia na justiça e no direito.
R: Ah justos, alegrai-vos no Senhor!
As montanhas se derretem como cera ante a face do Senhor de toda a terra; e assim proclama o céu sua justiça, todos os povos podem ver a sua glória.
R: Ah justos, alegrai-vos no Senhor!
Uma luz já se levanta para os justos, e a alegria, para os retos corações. Homens justos, alegrai-vos no Senhor, celebrai e bendizei seu santo nome!
R: Ah justos, alegrai-vos no Senhor!


Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 20,2-28
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
No primeiro dia da semana, 2Maria Madalena saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: "Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram". 3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo.
Ele viu, e acreditou.
- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor

sábado, 25 de dezembro de 2010

GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS

PALAVRA DO SENHOR PARA O DIA DE HOJE COM OS ARAUTOS DO EVANGELHO


NATAL DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
Evangelho segundo São Lucas 2,15-20
1Aconteceu que naqueles dias, César Augusto publicou um decreto, ordenando o recenseamento de toda a terra. 2Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria
Sábado, 25 de Dezembro de 2010.
SANTO DO DIA: Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; Santo Alberto Chmielowski, religioso
Primeira Leitura: Isaías 9, 1-6
Leitura do Livro do Profeta Isaías:
Naqueles dias, 1O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; sobre aqueles que habitavam uma região tenebrosa resplandeceu uma luz. 2Vós suscitais um grande regozijo, provocais uma imensa alegria; rejubilam-se diante de vós como na alegria da colheita, como exultam na partilha dos despojos. 3Porque o jugo que pesava sobre ele, a coleira de seu ombro e a vara do feitor, vós os quebrastes, como no dia de Madiã. 4Porque todo calçado que se traz na batalha, e todo manto manchado de sangue serão lançados ao fogo e tornar-se-ão presa das chamas; 5porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado; a soberania repousa sobre seus ombros, e ele se chama: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz. 6Seu império será grande e a paz sem fim sobre o trono de Davi e em seu reino. Ele o firmará e o manterá pelo direito e pela justiça, desde agora e para sempre. Eis o que fará o zelo do Senhor dos exércitos.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus

Segunda Leitura: Tito 2, 11-14
Leitura da Carta de São Paulo a Tito:
Naqueles dias, 11Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. 12Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, 13na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, 14que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus


Salmo 96
Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu santo nome!

R: Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
Dia após dia anunciai sua salvação, manisfestai a sua glória entre as nações e, entre os povos do universo, seus prodígios!

R: Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
O céu se rejubile e exulte a terra, aplauda o mar com o que vive em suas águas; os campos com seus frutos rejubilem e exultem as flores e as matas.

Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
Na presença do Senhor , pois ele vem, porque vem para julgar a terra inteira. Governará o mundo todo com justiça, e os povos julgará om lealdade.

R: Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo, o Senhor.


Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 2,1-14
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:
Naquele tempo: 67Zacarias, o pai de João, repleto do Espírito Santo, profetizou, dizendo: 68'Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo. 69Fez aparecer para nós uma força de salvação na casa de seu servo Davi, 70como tinha prometido desde outrora, pela boca de seus santos profetas, 71para nos salvar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam. 72Ele usou de misericórdia para com nossos pais, recordando-se de sua santa aliança 73e do juramento que fez a nosso pai Abraão, para conceder-nos, 74que, sem temor e libertos das mãos dos inimigos, nós o sirvamos, 75com santidade e justiça, em sua presença, todos os nossos dias. 76E tu, Menino, serás chamado profeta do Altíssimo, pois irás adiante do Senhor para preparar-lhe os caminhos, 77anunciando ao seu povo a salvação, pelo perdão dos seus pecados. 78Graças à misericordiosa compaixão do nosso Deus, o sol que nasce do alto nos visitará, 79para iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte, e dirigir nossos passos no caminho da paz.'

- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor




Comentário ao Evangelho do dia feito por São Gregório de Nissa (c. 335-395), monge e bispo
Sermão sobre o Natal, passim; PG 46, 1128 (a partir da trad. coll. Icthus, vol. 8, pp. 163ss.)
«Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador»
Irmãos, informados do milagre, vamos como Moisés ver esta coisa extraordinária (Ex 3, 3): em Maria, o arbusto em chamas não se consome. A Virgem dá ao mundo a Luz mantendo a sua virgindade. [...] Corramos pois a Belém, a cidade da Boa Nova! Se formos verdadeiramente pastores, se permanecermos despertos em guarda, ouviremos a voz dos anjos que anunciam uma grande alegria: [...] «Glória a Deus nas alturas, porque a paz desceu à terra!» Aonde ontem apenas havia maldição, teatros de guerra e exílio, a terra recebe a paz, porque hoje «da terra brotará a lealdade, desde o céu há-de olhar a justiça» (Sl 84, 12). Eis o fruto que a terra dá aos homens, em recompensa pela boa vontade que reina entre eles (Lc 2, 14). Deus une-Se ao homem para elevar o homem às alturas de Deus.
Ao ouvirmos esta novidade, irmãos, partamos para Belém, a fim de contemplarmos [...] o mistério do presépio: uma criança envolta em panos repousa numa manjedoura. Virgem após o parto, a Mãe incorruptível abraça o Filho. Com os pastores, repitamos a palavra do profeta: «Como nos contaram, assim nós vimos na cidade do Senhor dos exércitos» (Sl 47, 9).
Mas por que procura o Senhor refúgio nesta gruta de Belém? Por que dorme numa manjedoura? Por que Se sujeita ao recenseamento de Israel? Irmãos, Aquele que traz a libertação ao mundo vem nascer na nossa submissão à morte. Ele nasce nesta gruta para Se mostrar aos homens, mergulhados nas trevas e na sombra da morte. Está deitado numa manjedoura porque é Aquele que faz crescer a erva para o gado (Sl 103, 14), porque é o Pão da Vida que alimenta o homem com um alimento espiritual, para que também ele viva pelo Espírito. [...] Haverá festa mais feliz que a de hoje? Cristo, o Sol da Justiça (Mal 3, 20), vem iluminar a nossa noite. Aquele que tinha caído torna a levantar-se, aquele que fora vencido é libertado [...], aquele que tinha morrido regressa à vida. [...] Hoje, cantemos todos a uma só voz em toda a terra: «Por um homem, Adão, veio a morte; por este Homem, vem-nos hoje a salvação» (cf Rom 5, 17).

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O BERÇO DO CRISTIANISMO



O BERÇO DO CRISTIANISMO Nº 1


Jesus Cristo é realmente o Filho unigênito do Deus Pai e o único mediador entre Deus e os homens como disse Paulo em I Tm. 2:3-5; assim Paulo negou Moisés como mediador. Jesus Cristo afirmou que só ele revela quem é o Pai, em Mt. 11:27. Neste texto Jesus declara que quem quiser conhecer o Pai tem de ir a ele, Jesus. Em João 14:6-10 Jesus reafirma que fora dele ninguém pode conhecer o Pai. Se o Pai se desse a conhecer antes de Cristo vir a este mundo, faria do Filho um mentiroso.
Como Jeová se manifestou antes de Jesus, os religiosos da época, crentes no seu deus, não creram em Jesus. Os fariseus conhecedores do Velho Testamento, os saduceus e os escribas, guiados pelos príncipes e sacerdotes do templo, acusavam Jesus de falso e endemoninhado. Desde o início a implantação da Igreja e do Novo Testamento foram rechaçados. Jesus era chamado de Belzebu pelos patrícios (Mt. 10:21-25). Após a crucificação e ressurreição do Senhor, as perseguições continuaram por fora, mas por dentro a Igreja era conturbada por ajustes e desajustes entre os cristãos e os próprios apóstolos. Quando aconteceu a conversão do Centurião Cornélio e todos estavam reunidos, os crentes da circuncisão com os apóstolos resistiam a Pedro, pois Cornélio e os outros eram gentios e não judeus (At. 11:1-18). Os cristãos judaizantes queriam forçar os gentios convertidos a circuncidar-se e seguir a Moisés. Diz a Bíblia que houve grande contenda; mas Pedro e Tiago, cheios do Espírito Santo, conseguiram acalmar os ânimos e eximir os gentios cristianizados da lei e da circuncisão (At. 15:1-29).

Os apóstolos Paulo e Pedro não concordavam no ministério. Pedro, numa hora, estava com os gentios e noutra com os judeus, e Paulo lhe resistiu na cara. Lemos isso na carta aos Gálatas 2:6-14. A conturbação se alastrava. Valentim, um cristão nascido no Egito, foi para Roma no ano 140 depois de Cristo, quarenta e cinco anos depois da morte do apóstolo João, e fundou uma seita em que explicava a origem da criação de forma esquisita. Foi três vezes excomungado pela Igreja. As crueldades e vinganças de Jeová levaram-no a concluir que o Deus supremo cheio de amor nada tem a ver com Jeová, mas que este deus iracundo foi o demiurgo dos gregos, o criador deste mundo tenebroso, e se manifestou aos hebreus como o todo poderoso Jeová, prometendo um reino terreno e eterno, e um messias que haveria de reinar sobre as nações com vara de ferro. Valentim teve muitos seguidores notáveis e sua doutrina durou vários séculos. Nasceu no ano de 85, quando muitos apóstolos viviam, e morreu no ano de 160 d.C.

Ptolomeu, o mais importante da escola italiana de Valentim, escreveu uma “Carta a Flora” onde discute a inspiração da lei mosaica, provando que esta não era de origem exclusivamente divina, baseado em João 1: 17 no qual João afirma que a verdade e a graça não estão na lei. Heracleon, outro discípulo de destaque de Valentim, iniciou uma aproximação com a opinião ortodoxa. Irineu nos deixou uma descrição de sua doutrina, pois os escritos originais foram destruídos. Na sua doutrina, há três classes de homens: o material, homem da esquerda, que perece pela necessidade. O psíquico, designado da direita, encontrando-se no meio do espiritual e do material, e pode inclinar para a matéria ou para o espiritual, que será aperfeiçoado pelo psíquico.

Florino foi outro discípulo de Valentim. Pelo que informou Irineu, defendia que Deus é responsável pelos males deste mundo.

Bardejanes, também da escola de Valentim, nascido em Edesa, convertido no ano de 216 D.C. Escreveu o livro “Diálogos Sobre o Destino”. Escreveu também 150 hinos para propagar a doutrina.

Harmônio, filho de Bardejanes, continuou a obra de seu pai; seus hinos eram cantados até o século V.

Teodoto, da escola oriental de Valentim, discutia as seguintes questões: “O que éramos? Em quem temos sido convertidos? O que é a geração? O que é a regeneração?” Nas respostas Teodoto explica que o homem tende substancialmente à união com o Deus verdadeiro e perfeito, mas como está exilado num mundo imperfeito que o aprisiona e oprime por meio de forças malignas (Ef. 2:2-3), é arrastado ao mal. Seu livro predileto era o Evangelho de João. Tudo que sabemos a seu respeito, sua doutrina e ensinos, se encontram nos escritos de Clemente de Alexandria. Os valentinianos todos consideravam Jeová como Cosmocrator, o criador da matéria corruptível e deste mundo tenebroso, um abismo e morada dos demônios (Gn. 1:1-2). Para eles o Deus Pai, bom, habita na luz inacessível (I Tm. 6:16). Além de Valentim, houve outros cristãos que se destacaram por não crer em Jeová. Cerinto foi um judeu convertido ao cristianismo, no tempo apostólico do primeiro século. Pregava sua mensagem no tempo do imperador romano Domiciano, filho de Vespasiano e irmão de Tito, lá pelos anos 81 a 96. Foi o primeiro teólogo judeu que ensinou a distinção entre Deus supremo e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo e o demiurgo Jeová, criador da matéria corruptível. Era um cristão judaizante como os de Atos 15 e os da Galácia. O apóstolo João morreu no ano 95, quando Cerinto estava no auge do seu ministério, e quando o templo foi destruído por Tito, filho de Vespasiano no ano 70 d.C.

No livro “Evangelhos apócrifos” lemos a história do imperador Tito que reinou de 79 a 81 d.C., sob o título “Vingança do Salvador”, dizendo que este homem tinha câncer no rosto. No porto da Líbia conheceu um ismaelita de nome Natan, a quem perguntou se conhecia algum medicamento para cura do câncer. Natan lhe falou dos milagres de Jesus e de como curou Verônica do fluxo de sangue (Lc. 8:43-48). Tito creu e na mesma hora sarou do câncer. Pediu a Natan que o batizasse. Evangelizado por Natan e tendo tomado consciência das atrocidades cometidas contra Cristo pelos religiosos e sacerdotes, decidiu vingar a morte do Salvador. Mandou cartas a Vespasiano, seu pai, que reinou de 69 a 79 D.C. Este, atendendo a seu filho, organizou um exército e marcharam juntos contra Jerusalém destruindo totalmente o templo dos assassinos dos Filho de Deus. Este relato se acha no livro “Los Evangelhos Apócrifos” da Editora B A C, páginas 513 e 532, onde são revelados detalhes impressionantes sobre a destruição do templo.



Autoria Pastor Olavo S. Pereira

Bibliografia: “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” e http: www.iponet.ebs/casinada

domingo, 19 de dezembro de 2010

UM MENINO VAI NASCER




UM MENINO VAI NASCER

E o Menino Jesus sorrindo
no Ventre de sua Mãe...
em silêncio, pressentindo
o tempo do aquem...
já o gelado frio carrega!

Das entranhas maternais
já do quente se despega!

Ao nato bafo de animais
já, Humilde, se apega
numa Pobreza real!

De ósculos infindos
bendiz o seio divinal
donde a Trindade ao sair
dará ao mundo pecador
a Salvação fraternal
para a todos repartir
dum modo total!

A Mãe, "Fiat" em compulsão,
guarda tudo em seu coração...,
ajusta as palhas doiradas,
com estrelas luzentes
dentre raios amoradas
naquele Amor singular!

Da camisa de José
que despe sem hesitar,
umas faixas rasgadas
farão os cobertores
para cobrir o Bebé!


O Rei dos reis vai nascer!
Anjos, em cantos fluentes
preparam a aclamação,
por montes e vales,
com hinos fontanais
da Hora, a todas as gentes!

Nada mais há que fazer!
Emanuel Forasteiro
é Testemunho primeiro
da Estrada a percorrer!




de Maria do Rosário Guerra


Seia, Natal de 2010

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

HISTÓRIA DO PAI NATAL

A verdadeira história do Pai Natal
Publicado Dezembro 12, 2010 Contos , contos infantis , Crianças , Histórias de Natal , Histórias infantis , Pai Natal Deixar um Comentário

A verdadeira história do Pai Natal

As ruas da cidade estão enfeitadas com iluminações coloridas. Há tantas luzinhas! Parece que todas as estrelas do céu caíram e ficaram presas nas janelas… O Gonçalo sonha… Enquanto olha pela vidraça para a neve branca e leve.

Esta noite o Pai Natal vai passar!

Vem então aninhar-se nos braços da sua mãe. Tem tantas coisas para lhe perguntar…

— Mãe, onde mora o Pai Natal? O que é que ele faz durante todo o ano, enquanto espera pela época do Natal? E como é que ele me vai trazer os brinquedos que eu pedi?

— Vá lá, tem calma, diz-lhe a mãe. Se quiseres levo-te ao país do Pai Natal! Vou contar-te a verdadeira história do pai Natal…

O Pai Natal vive numa casinha muito pequena que fica no meio da neve e dos glaciares, longe, muito longe daqui. Está tão bem escondida entre os pinheiros, que ninguém consegue vê-la. É uma casinha muito quentinha e muito acolhedora porque o Pai Natal é muito sensível… Mas, nunca lá entrou ninguém! Ele é um velhinho bondoso, mas não gosta de curiosos…

— Mãe, se eu pudesse espreitar pela janela, achas que conseguia ver o piano eléctrico que pedi?

— Oh! não. Irias perturbar o Pai Natal: na sua oficina, diante da velha banca de trabalho, com as ferramentas, que continuam sempre novas, ele fabrica os brinquedos para todas as crianças do mundo. Ele aplaina, corta, martela, cola, pinta… Ah! Ele tem muito trabalho!…

Mas o Pai Natal acaba de olhar para o calendário…

“Como? Hoje é dia 24 de Dezembro? Já?” Há um ano que ele trabalha, todos os dias, para que os brinquedos de todas as crianças do mundo estejam prontos. “Rápido, o meu cesto! Mas o meu casaco está cheio de pó e as minhas botas precisam de ser engraxadas… Ah! Ai Ai! Não tenho tempo…”

Com uma escovadela, a poeira desaparece e o casaco fica novamente bem vermelho, a gola recupera a cor da neve e as botas brilham como um espelho.

A porta abre-se ruidosamente com um golpe de um casco.

“Temos fome!”, gritam “Stem” e “Schuss”, as duas renas do Pai Natal, as duas únicas renas do mundo que sabem falar.

“Não me esqueci de vós! Tenham um pouco de paciência, as duas… Tenho de calçar as botas”, resmunga o Pai Natal.

O Pai Natal tem bastante dificuldade em calçar as suas botas. Há um ano que não o fazia e os seus pés já não estavam habituados a um espaço tão estreito… Mas, por fim lá consegue! Lá vai ele ter de sair da sua casinha… ela é tão quentinha e tão acolhedora! E lá fora, naquele grande frio glacial, a neve é tão espessa! E ainda por cima é preciso levar aqueles embrulhos todos… Há tantos e o cabaz é tão pesado!

— O que é um cabaz?, pergunta o Gonçalo.

— É um grande cesto em vime onde o Pai Natal leva todos os brinquedos. Para caminhar, ele põe-no às costas. Vês como o cesto vai carregado!

Apesar da neve espessa e do frio, “Stem” e “Schuss” estão radiantes: é noite de Natal! Elas vão ter a mais bela saída do ano. O Pai Natal prepara-as com todo o cuidado. E, enquanto as atrela, acaricia-as com suavidade. Depois, carrega o seu trenó mágico com embrulhos multicolores que nunca mais acabam! Será que já estão todos? “Não me posso esquecer de ninguém! Não poderemos voltar para trás, porque esta noite vamos estar muito longe!”, diz ele às suas renas.

— Diz-me, mãe, ele vai passar por nossa casa?

— Claro! O Pai Natal não se esquece de ninguém…

Chegou a hora da partida! O Pai Natal comanda as suas renas. “Juntas, juntinhas, voai, voai, minhas queridinhas!” E logo o trenó sobe em direcção às estrelas.

Um último olhar para a sua pequena casinha, para verificar se as luzes estão apagadas, e aí vão eles pelo céu escuro… Ao longe, o trenó luminoso parece-se com uma estrela cadente que tilinta como uma campainha: “Tlintlim! Tlintlim!”. O Pai Natal também está muito contente. Por isso canta a canção de Natal que ensinou a “Stem” e a “Schuss”, as duas únicas renas do mundo que sabem cantar. É uma canção tão bonita que embala a Lua e afasta as nuvens…

— Oh! mãe, parece que estou a ouvir…

Depois de uma viagem muito, muito longa, o trenó chega à cidade adormecida e fica a pairar por cima dela. De repente, pára, como por encanto, ao lado do telhado de uma grande casa. “Stem” e “Schuss” também sabem fazer alguns truques de magia! O Pai Natal olha para a casa silenciosa. É preciso que todas as luzes estejam apagadas! Então, carregando o seu cesto, ele entra na chaminé! Mas resmunga um pouco…

“Ui! Ou a minha barriga está muito grande, ou este ano as chaminés estão demasiado estreitas! Vamos lá a uma escorregadela por aqui abaixo!”

— E eu escondia-me e ficava muito quieto a ver o Pai Natal, diz o Gonçalo!

— Oh não! Ouvi dizer que ele não distribui brinquedos aos meninos que não estão a dormir…

Está bem escuro dentro de uma chaminé! Felizmente o pinheiro tem muitas luzinhas acesas. Senão como é que o Pai Natal descobriria o caminho?

“Ora vejamos! Não me posso enganar. A Carolina pediu-me uma casinha de bonecas e o Paulo um robô. Hum!… E a Camila, a bebé da casa, já não me lembro… Ora vamos lá a ver a carta com os pedidos… É isso: um ursinho de peluche! E ainda um osso com música para Piloto, o cãozinho…” E assim, durante toda a noite, o Pai Natal passa pelas casas de todas as crianças do mundo.

Sabias que há crianças que põem duas cenouras junto à chaminé para “Stem” e para “Schuss”, as renas do Pai Natal?

O Pai Natal terminou a sua viagem. “Adeus, meninos e meninas! O dia está a começar: temos de voltar para casa! “Juntas, juntinhas, voai, voai, minhas querídínhas!” E o trenó do Pai Natal eleva-se no ar com suavidade. Atrás dele, uma grande nuvem cor-de-rosa esconde-o até a cidade ficar bem longe. As crianças estão quase a acordar e o Pai Natal não se quer mostrar. Ele ainda tem uma longa viagem a fazer até à sua pequena casinha, longe, longe, muito longe daqui.

— Como eu gostaria de andar naquele trenó, diz o Gonçalo, a sonhar…

Depois da sua longa, longa viagem de regresso, o Pai Natal chega finalmente a casa. Deixa-se escorregar com prazer sobre a poltrona. Está tão cansado que nem descalçou uma das botas… Mas sorri, muito feliz. Ele sonha com a alegria de todas as crianças do mundo que, agora, rasgam os papéis dos embrulhos para descobrirem os seus brinquedos!

“Acho que não me esqueci de ninguém…”

“Stem” e “Schuss” estão um bocadinho tristes. Elas olham para o cesto vazio com alguma pena… Mas também estão muito orgulhosas por terem galopado tão bem por entre as estrelas. E que elas conhecem perfeitamente todos os caminhos do céu…

— Mãe, será que eu posso pôr duas cenouras perto da chaminé?, pergunta o Gonçalo a suspirar.

Chegou a noite de Natal…

O Gonçalo pôs os seus sapatos junto à chaminé e deixou uma pequena vela acesa perto do pinheiro. O Pai Natal precisa de luz para ler a carta com os seus pedidos… Para que não se esqueça de nada!

Querido Pai Natal,

Gostaria de ter uma bicicleta de montanha para subir e descer as colinas, e aquele livro que vi na biblioteca, e um piano, e uma caixa confortável para que o meu ratinho branco fique bem quentinho quando chove.

Obrigado, Pai Natal!

Gonçalo.

O Gonçalo sonha… Que história! E como esta é uma história verdadeira, deve ser um verdadeiro Pai Natal…

Colette Seigue; Téo Puebla
A verdadeira história do Pai Natal
Porto, Porto Editora, 1995
Adaptado

domingo, 12 de dezembro de 2010

ADVENTO-TEMPO DE CONVERSÃO

sábado, 11 de dezembro de 2010

III DOMINGO DO ADVENTO-ANO A



III DOMINGO DO ADVENTO-ANO A

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

NATAL (POUT-POURRI)

"VERBUM DOMINI"




"VERBUM DOMINI"
Papa convida à redescoberta de Deus
Exortação apostólica «Verbum Domini» retoma Sínodo de 2008, apelando ao diálogo entre religiões e ao compromisso pela «transformação do mundo»

O Vaticano apresentou esta Quinta-feira a segunda exortação apostólica de Bento XVI, intitulada «Verbum Domini» (Palavra do Senhor), na qual o Papa convida a Igreja e a sociedade actual à redescoberta de Deus.

“Num mundo que, muitas vezes, sente Deus como supérfluo ou estranho, não há maior prioridade do que esta: reabrir ao homem de hoje o acesso a Deus, ao que Deus que fala e comunica o seu amor”, escreve.

O Papa defende que a relação com a Bíblia deve levar a um compromisso efectivo para “tornar o mundo mais justo”, denunciando “sem ambiguidades as injustiças” e promovendo “a solidariedade e a igualdade”.

“O compromisso pela justiça e a transformação do mundo é constitutivo da evangelização”, refere o documento.

A Palavra de Deus, acrescenta Bento XVI, é também “fonte de reconciliação e de paz”, pelo que as religiões “não podem nunca justificar a intolerância ou as guerras”.

“Não se pode usar a violência em nome de Deus”, sustenta.

“Todas as religiões deviam impelir para um uso correcto da razão e promover valores éticos que edifiquem a convivência civil”, acrescenta.

Bento XVI exprime “a gratidão da Igreja inteira aos cristãos que não se rendem perante os obstáculos e as perseguições por causa do Evangelho”.

“Ao mesmo tempo unimo-nos, com profunda e solidária estima, aos fiéis de todas as comunidades cristãs, particularmente na Ásia e na África, que neste tempo arriscam a vida ou a marginalização social por causa da fé”, prossegue.

Fruto da XII assembleia ordinária do Sínodo dos Bispos, em 2008, a exortação – documento eminentemente catequético – sublinha que a Sagrada Escritura contém resposta às inquietações da sociedade actual.

O Papa lamenta que, sobretudo no Ocidente, se divulgue a ideia de que “Deus seja alheio à vida e aos problemas dos homens e que a sua presença pode ser uma ameaça à autonomia” do ser humano.

Para Bento XVI, é essencial “redescobrir a centralidade da Palavra de Deus” na vida de cada crente e na da Igreja, no seu conjunto, falando na “urgência e beleza” de a anunciar para a salvação da humanidade.

Num documento longo, com quase 200 páginas, todos os católicos são chamados a tornar-se mais “familiarizados com as Sagradas Escrituras”, que coloca como fundamento de “qualquer espiritualidade cristã viva e autêntica”.

Esta Palavra de Deus, por outro lado, “não se contrapõe ao homem, não mortifica os seus desejos autênticos, mas ilumina-os, purificando-os e levando-os ao seu cumprimento”, indica a exortação.

Para Bento XVI, “só Deus responde à sede que há no coração de cada homem”, pelo que é fundamental para a Igreja “apresentar a Palavra de Deus na sua capacidade de dialogar com os problemas que o homem tem de enfrentar na vida quotidiana”.

O Papa lembra que a Igreja “reconhece como parte essencial do anúncio da Palavra o encontro, o diálogo e a colaboração com todos os homens de boa vontade, particularmente com as pessoas pertencentes às diversas tradições religiosas da humanidade”.

Esse diálogo, no entanto, “não seria fecundo, se não incluísse também um verdadeiro respeito por todas as pessoas, para que possam aderir livremente à sua própria religião”.

A exortação apostólica «Verbum Domini» encontra-se disponível no site do Vaticano

AGÊNCIA ECCLÉSIA

terça-feira, 30 de novembro de 2010

NOVENA À IMACULADA CONCEIÇÃO


Novena à Imaculada Conceição
Oração para todos os dias
Deus vos salve, Maria, cheia de graça e bendita mais que todas as mulheres, Virgem singular, Virgem soberana e perfeita, eleita por Mãe de Deus e preservada por Ele de toda culpa desde o primeiro instante de sua Concepção:

Assim como por Eva nos veio a morte, assim nos vem a vida por ti, que pela graça de Deus tens sido eleita para ser Mãe do novo povo que Jesus Cristo tem formado com seu Sangue.

A ti, puríssima Mãe, restauradora da caída linhagem de Adão e Eva, viemos confiantes e suplicantes nesta novena, para rogar que nos concedas a graça de sermos verdadeiros filhos teus e de teu Filho Jesus Cristo, livres de toda mancha de pecado.

Confiantes, Virgem Santíssima, que haveis sido feita Mãe de Deus, não somente para vossa dignidade e glória, senão também para salvação nossa e proveito de todo o gênero humano.

Confiantes que jamais se tem ouvido dizer que um somente de quantos tem acudido a vossa proteção e implorado vosso socorro, tem já sido desamparado.

Não me deixeis, pois, a mim tampouco, porque se me deixais me perderei;

Que eu tampouco quero deixar a vos, antes bem, cada dia quero crescer mais em vossa verdadeira devoção.

Alcançai-me principalmente estas três graças:
A primeira, não cometer jamais pecado mortal;

A segunda, um grande apreço da virtude cristã,

A terceira, uma boa morte.

Além disso, dai-me a graça particular que vos peço nesta novena

Fazer aqui o pedido que se deseja obter.

Rezar a oração do dia correspondente:

Orações finais
Bendita seja tua pureza e eternamente o seja, pois todo um Deus se recreia em tão graciosa beleza.

A ti, celestial Princesa, Virgem Sagrada Maria, vos ofereço neste dia alma, vida e coração.

olhai-me com compaixão, não me deixes, Mãe minha.

Rezar três Ave-Marias.

Tua Imaculada Concepção, Oh! Virgem Mãe de Deus, anunciou alegria ao universo inteiro.

Oração
Oh! Deus meu, que pela Imaculada Concepção da Virgem, preparaste digna habitação a teu Filho:

Vos rogamos que, assim como pela previsão da morte de teu Filho livrai-vos a ela de toda mancha, assim a nós nos concedas por sua intercessão chegar a Vós limpos de pecado.

Pelo mesmo Senhor nosso Jesus Cristo. Amém.

Primeiro Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como preservaste a Maria do pecado original em sua Imaculada Concepção, e a nós nos fizeste o grande beneficio de livramos dele por meio de teu Santo batismo, assim vos rogamos humildemente nos concedas a graça de nos portarmos sempre como bons cristãos, regenerados em ti, Nosso Pai Altíssimo.

Segundo Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como preservaste a Maria de todo pecado mortal em toda sua vida e a nós nos dais graça para evita-lo e o Sacramento da confissão para remedia-lo, assim vos rogamos humildemente, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos concedas a graça de não cometer nunca pecado mortal, e se acontecer tão terrível desgraça, a de sair dele quanto antes por meio de uma boa confissão.

Terceiro Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como preservaste a Maria de todo pecado venial em toda sua vida, e a nós nos pedes que purifiquemos mais e mais nossas almas para sermos dignos de ti, assim vos rogamos humildemente, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos concedas a graça de evitar os pecados veniais e a de procurar e obter cada dia mais pureza e delicadeza de consciência.

Quarto Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como livrais a Maria da inclinação ao pecado e lhe destes domínio perfeito sobre todas suas paixões, assim vos rogamos humildemente, por intercessão de Maria Imaculada, nos concedas a graça de ir domando nossas paixões e destruindo nossas más inclinações, para que vos possamos servir, com verdadeira liberdade de espírito, sem imperfeição nenhuma.

Quinto Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como, desde o primeiro instante de sua Concepção, destes a Maria mais graça que a todos os Santos e anjos do céu, assim vos rogamos humildemente, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos inspires um apreço singular da divina graça que Vós nos adquiriste com teu sangue, e nos concedas o aumentar mais e mais com nossas boas obras e com a recepção de teus Santos Sacramentos, especialmente o da Comunhão.

Sexto Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como, desde o primeiro momento, destes a Maria, com toda plenitude, as virtudes sobrenaturais e os dons do Espírito Santo, assim vos suplicamos humildemente, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos concedas a nós a abundancia destes mesmos dons e virtudes, para que possamos vencer todas as tentações e tenhamos muitos atos de virtude dignos de nossa profissão de cristãos.

Sétimo Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como destes a Maria, entre as demais virtudes, uma pureza e castidade eximia, pela qual é chamada Virgem das virgens, assim vos suplicamos, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos concedas a dificilíssima virtude da castidade, que tantos tem conservado mediante a devoção da Virgem e tua proteção.

Oitavo Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como destes a Maria a graça de uma ardentíssima caridade e amor de Deus sobre todas as coisas, assim vos rogamos humildemente, por intercessão de tua Mãe Imaculada, nos concedas um amor sincero de ti,

Oh! Deus Senhor nosso!

Nosso verdadeiro bem, nosso bem feitor, nosso Pai, e que antes queiramos perder todas as coisas que ofender-Vos com um somente pecado.

Nono Dia
Oh! Santíssimo Filho de Maria Imaculada e benigníssimo Redentor nosso:

Assim como tens concedido a Maria a graça de ir ao céu e de ser nele colocada no primeiro lugar depois de Vós, vos suplicamos humildemente, por intercessão de Maria Imaculada, nos concedas uma boa morte, que recebamos bem os últimos sacramentos, que expiremos sem mancha nenhuma de pecado na consciência e vamos ao céu, para sempre aproveitar, em tua companhia e a de nossa Mãe, com todos os que se tem salvado por ela

terça-feira, 2 de novembro de 2010

VISITA NOCTURNA A JESUS SACRAMENTADO


Visita noturna a Jesus Sacramentado
Santa Ângela da Cruz - 2009/12/22

Ficai conosco, Senhor, esta noite. Ficai para adorar, louvar e dar graças por nós, enquanto dormimos.

Ficai para fazer baixar do Céu vossa misericórdia sobre o mundo.

Ficai para socorrer, a partir do tabernáculo, as benditas almas do Purgatório, em sua prolongada noite de sofrimentos e penas.

Ficai conosco, Senhor, para afastar a ira de Deus de nossas populosas cidades com suas densíssimas nuvens de vícios e crimes que clamam aos Céus por vingança.

Ficai conosco, Senhor, para confortar os que jazem no leito de dor, para dar a graça da contrição aos que morrem, para receber nos braços de vossa misericórdia os milhares de almas que se apresentam ante Vós esta noite para serem julgadas.

Oh! Bom Pastor, ficai com vossas ovelhas, defendendo-as dos perigos que as rodeiam e ameaçam!

Ficai, Senhor, sobretudo, com os que sofrem e com os agonizantes.

Dai-nos uma noite tranqüila e um despertar perfeito.

Sede nosso misericordioso Pai até o último momento, para que sem temor possamos apresentar-nos diante de Vós, como nosso Juiz.

Ficai, Senhor, em meu coração. Assim seja.

(Revista Arautos do Evangelho, Nov/2004, n. 35, p. 2

QUANTO VALE UMA CRIANÇA


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

SEJAMOS SANTOS



SEJAMOS SANTOS
Ser santo é ser o mais banal possível na personificação da máxima de Jesus Cristo "Sede Santos como Eu sou Santo".
É ser criança, ser simples, não ter outro anseio que desejar ser o que Ele quer que sejamos.
É sorrir ao jogo da bola do "leva e traz" que não nos deixa estar sós em cada lance do nada, no que fazemos.
O abandono, o viver todo o presente como Ele quer que se viva, num silêncio interior o mais perfeito possível para visualizar a Sua vontade e carregarmos para o nosso coração esse abandono nas suas mãos, traz-nos a esperança de que todos com Ele sejamos santos.Confiados na Sua misericórdia que não se cansa de esperar e trabalhar o barro, a vitória será dEle e a Alegria nossa unida à dEle.Este peregrinar vai-se desenrolando lado a lado com Ele, em fraternidade amorosa e desprendida , por tempo indeterminado e sem outro ensejo da nossa parte que não seja caminhar em leve barco feito com casca de noz ,afastando sempre as pedras demoníacas do nosso caminho.

Maria do Rosário Guerra

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

MENSAGEM DO SANTO PADRE PARA O DIA MUNDIAL DAS MISSÕES


MENSAGEM DO PAPA BENTO XVI
PARA O DIA MISSIONÁRIO MUNDIAL 2010



A construção da comunhão eclesial é a chave da missão


Prezados irmãos e irmãs!

Com a celebração do Dia Missionário Mundial, o mês de Outubro oferece às Comunidades diocesanas e paroquiais, aos Institutos de Vida Consagrada, aos Movimentos Eclesiais, a todo o Povo de Deus, a ocasião para renovar o compromisso de anunciar o Evangelho e dar às actividades pastorais um ímpeto missionário mais amplo. Este encontro anual convida-nos a viver intensamente os percursos litúrgicos e catequéticos, caritativos e culturais, mediante os quais Jesus Cristo nos convoca à mesa da sua Palavra e da Eucaristia, para saborear o dom da sua Presença, formar-nos na sua escola e viver cada vez mais conscientemente unidos a Ele, Mestre e Senhor. É Ele mesmo quem nos diz: "Aquele que me ama será amado por meu Pai: Eu amá-lo-ei e manifestar-me-ei a ele" (Jo 14, 21). Só a partir deste encontro com o Amor de Deus, que muda a existência, podemos viver em comunhão com Ele e entre nós, e oferecer aos irmãos um testemunho credível, explicando a razão da nossa esperança (cf. 1 Pd 3, 15). Uma fé adulta, capaz de se confiar totalmente a Deus com atitude filial, alimentada pela oração, pela meditação da Palavra de Deus e pelo estudo das verdades da fé, é uma condição para poder promover um novo humanismo, fundamentado no Evangelho de Jesus.

Além disso, em Outubro, em muitos países retomam-se as várias actividades eclesiais depois da pausa de Verão, e a Igreja convida-nos a aprender de Maria, mediante a oração do Santo Rosário, a contemplar o desígnio de amor do Pai sobre a humanidade, para a amar como Ele a ama. Não é porventura este o sentido da missão?

Com efeito, o Pai chama-nos a ser filhos amados no seu Filho, o Amado, e a reconhecer-nos todos irmãos naquele que é Dom de Salvação para a humanidade dividida pela discórdia e pelo pecado, e Revelador do verdadeiro Rosto daquele Deus que "amou de tal modo o mundo, que lhe deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3, 16).

"Queremos ver Jesus" (Jo 12, 21), é o pedido que, no Evangelho de João, alguns gregos que chegaram a Jerusalém para a peregrinação pascal, dirigem ao Apóstolo Filipe. Ele ressoa também no nosso coração neste mês de Outubro, que nos recorda como o compromisso do anúncio evangélico compete a toda a Igreja, "missionária por sua própria natureza" (Ad gentes, 2), convidando-nos a tornarmo-nos promotores da novidade de vida, feita de relacionamentos autênticos, em comunidades fundadas no Evangelho. Numa sociedade multiétnica que experimenta cada vez mais formas preocupantes de solidão e de indiferença, os cristãos devem aprender a oferecer sinais de esperança e a tornar-se irmãos universais, cultivando os grandes ideais que transformam a história e, sem falsas ilusões nem medos inúteis, comprometer-se para fazer com que o planeta seja a casa de todos os povos.

Como os peregrinos gregos de há dois mil anos, também os homens do nosso tempo, talvez nem sempre conscientemente, pedem aos crentes não só que "falem" de Jesus, mas que "façam ver" Jesus, façam resplandecer o Rosto do Redentor em cada ângulo da terra diante das gerações do novo milénio e sobretudo diante dos jovens de cada continente, destinatários privilegiados e agentes do anúncio evangélico. Eles devem sentir que os cristãos levam a Palavra de Cristo porque Ele é a Verdade, porque n'Ele encontraram o sentido, a verdade para a sua vida.

Estas considerações remetem para o mandamento missionário que todos os baptizados e a Igreja inteira receberam, mas que não se pode realizar de maneira credível sem uma profunda conversão pessoal, comunitária e pastoral. De facto, a consciência da chamada a anunciar o Evangelho estimula não só cada fiel individualmente, mas todas as Comunidades diocesanas e paroquiais a uma renovação integral e a abrir-se cada vez mais à cooperação missionária entre as Igrejas, para promover o anúncio do Evangelho no coração de cada pessoa, de cada povo, cultura, raça, nacionalidade, em todas as latitudes. Esta consciência alimenta-se através da obra de Sacerdotes Fidei Donum, de Consagrados, de Catequistas, de Leigos missionários, numa busca constante de promover a comunhão eclesial, de modo que também o fenómeno da "interculturalidade" possa integrar-se num modelo de unidade, no qual o Evangelho seja fermento de liberdade e de progresso, fonte de fraternidade, de humildade e de paz (cf. Ad gentes, 8). De facto, a Igreja "é em Cristo como que sacramento, ou seja, sinal e instrumento da união íntima com Deus e da unidade de todo o género humano" (Lumen gentium, 1).

A comunhão eclesial nasce do encontro com o Filho de Deus, Jesus Cristo que, no anúncio da Igreja, alcança os homens e cria comunhão com Ele próprio e por conseguinte, com o Pai e com o Espírito Santo (cf. 1 Jo 1, 3). Cristo estabelece a nova relação entre o homem e Deus. "É Ele quem nos revela "que Deus é caridade" (1 Jo 4, 8) e, ao mesmo tempo, nos ensina que a lei fundamental da perfeição humana e, portanto, da transformação do mundo, é o mandamento novo do amor. Assim, aos que crêem no amor divino dá-lhes a certeza de que abrir o caminho do amor a todos os homens e instaurar a fraternidade universal não são coisas vãs" (Gaudium et spes, 38).

A Igreja torna-se "comunhão" a partir da Eucaristia, na qual Cristo, presente no pão e no vinho, com o seu sacrifício de amor edifica a Igreja como seu corpo, unindo-nos ao Deus uno e trino e entre nós (cf. 1 Cor 10, 16ss). Na Exortação apostólica Sacramentum caritatis escrevi: "não podemos reservar para nós o amor que celebramos neste sacramento: por sua natureza, pede para ser comunicado a todos. Aquilo de que o mundo tem necessidade é do amor de Deus, é de encontrar Cristo e acreditar n'Ele" (n. 84). Por esta razão a Eucaristia não é só fonte e ápice da vida da Igreja, mas também da sua missão: "Uma Igreja autenticamente eucarística é uma Igreja missionária" (Ibid.), capaz de levar todos à comunhão com Deus, anunciando com convicção: "o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também vós tenhais comunhão connosco" (1 Jo 1, 3).

Caríssimos, neste Dia Missionário Mundial no qual o olhar do coração se dilata sobre os imensos espaços da missão, sintamo-nos todos protagonistas do compromisso da Igreja de anunciar o Evangelho. O estímulo missionário foi sempre sinal de vitalidade para as nossas Igrejas (cf. Carta enc. Redemptoris missio, 2) e a sua cooperação é testemunho singular de unidade, de fraternidade e de solidariedade, que nos torna críveis anunciadores do Amor que salva!

Por conseguinte, renovo a todos o convite à oração e, não obstante as dificuldades económicas, ao compromisso da ajuda fraterna e concreta em apoio das jovens Igrejas. Este gesto de amor e de partilha, que o serviço precioso das Pontifícias Obras Missionárias, à qual manifesto a minha gratidão, providenciará à distribuição, apoiará a formação de sacerdotes, seminaristas e catequistas nas terras de missão mais distantes e encorajará as jovens comunidades eclesiais.

Na conclusão da mensagem anual para o Dia Missionário Mundial, desejo expressar, com particular afecto, o meu reconhecimento aos missionários e às missionárias, que testemunham nos lugares mais distantes e difíceis, muitas vezes com a vida, o advento do Reino de Deus. A eles, que representam as vanguardas do anúncio do Evangelho, vai a amizade, a proximidade e o apoio de cada crente. "Deus (que) ama quem doa com alegria" (2 Cor 9, 7) os encha de fervor espiritual e de alegria profunda.

Como o "sim" de Maria, cada resposta generosa da Comunidade eclesial ao convite divino ao amor dos irmãos suscitará uma nova maternidade apostólica e eclesial (cf. Gl 4, 4.19.26), que deixando-se surpreender pelo mistério de Deus amor, o qual "ao chegar a plenitude dos tempos, enviou o Seu Filho, nascido de mulher" (Gl 4, 4), dará confiança e audácia a novos apóstolos. Esta resposta tornará todos os crentes capazes de ser "jubilosos na esperança" (Rm 12, 12) ao realizar o projecto de Deus, que deseja "que todo o género humano constitua um só Povo de Deus, se congregue num só Corpo de Cristo, e se edifique num só templo do Espírito Santo" (Ad gentes, 7).

Vaticano, 6 de Fevereiro de 2010

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

OUTONO REPARADOR

O vento uiva e brama...
Faz revolto o rio,
Põe as folhas em rodopio.
As nuvens sem eira nem beira
galopam sem freio, em exaustão.
O quente, afaga o crispado frio...
a querer afogar o Verão.

Esperando o São Martinho
para vender o bom vinho
e terminar sua feira..
o Estio aguarda as colheitas,
esquece suas maleitas
no tempo inda quentinho.

Os dias colhem a bravura
de quantos fanam a dura
dos trabalhos que perduram
dos dias a "longo prazo".
Visível, a velha estação.
entre folhagem agridoce,
parece,por ora, enfurecida
com os muitos dissabores.
É que, a mãe natureza,
perdida dos seus amores
por causa de desamores,
deixou, ao tempo precoce,
terra queimada,enxofrada,
jazida de cinzas impudores
cerrando a áurea beleza
entre lutos arvoredos
dentre escuros medos.

E o Outono adverte
neste tom zangado:
que é preciso renovar
os ocos corações ,
massificá-los no amor,
que trará nova vida,
que prepara a terra, quase inerte,
com novas criaturas...

Espalhando as sementes
vivas e prementes:
da bondade, amizade,
do belo e fraternidade!


E Deus fala por Suas humildes criaturas,
indefesas, silenciosas, respirando canduras
numa doação de misturas
multicores e de " stop" odores...
Que só Amam ...
Que só Amam...
Que só Amam...


Maria do Rosário Guerra

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

DOMINGO XXV DO TEMPO COMUM

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

COROA DAS SETE DORES DE NOSSA SENHORA


Coroa das sete dores de Nossa Senhora

No início : 1 Credo, 1 Pai Nosso e 1 Ave Maria
[Primeira dor] - A dor que sentiu o Seu Coração Virginal com a Profecia de Simeão.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Segunda dor] - A angústia que sentiu, ao ter que fugir, com São José e Seu Menino Deus, para o Egipto.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Terceira dor] - A aflição que Ela sentiu quando perdeu por três dias o Seu tesouro: Jesus
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Quarta dor] - A tristeza mortal que Ela sofreu ao ver Seu Filho carregando a Cruz, por nossos pecados.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Quinta dor] - O martírio do Seu Coração generoso, assistindo a Agonia que passava o Salvador.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Sexta dor] - A ferida que sofreu Seu Coração, ao ver trespassado o Coração de Seu Filho.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

[Sétima dor] - O desconsolo e desamparo que Ela sofreu, no sepultamento do Redentor.
(1 Pai Nosso e 7 Ave Maria)

No final: 1 Salve Rainha

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

DEUS PAI E A CRIANÇA



DEUS PAI E A CRIANÇA
Uma criança estava prestes a vir ao mundo.
Então dialogou com Deus Pai:
CRIANÇA:-"Dizem que vou ser enviada para a terra amanhã...
Vou sozinha?
DEUS:- Entre muitos anjos que estão no céu, escolhi um, muito especial para ti. Lá em baixo, ele estará à tua espera para te receber.
CRIANÇA:-Eu, aqui no céu, não faço mais nada que não seja cantar e sorrir. Isto me basta para ser feliz!. Serei feliz também na terra?
DEUS:-O teu anjo cantará e sorrirá contigo.Em cada dia, a todo o instante, o amor do teu anjo tornar-te-á feliz.
CRIANÇA:- Quando não entender a linguagem dos que irão falar comigo, que me acontecerá?
DEUS:-Teu anjo, com muita paciência te ensinará a falar e a dialogar entre sorrisos.
CRIANÇA:-Que farei, quando no meio do barulho que me cerca, para poder conversar conTigo?
DEUS:-Vai ser o teu anjo que pegará em tuas mãozinhas, as juntará e te ensinará a rezar.
CRIANÇA:-Ouvi dizer que na terra há homens maus. É verdade?
DEUS:- Sim,há.O anjo, que muito te ama, certamente te defenderá, ainda que para tal seja preciso arriscar ou dar a própria vida.
CRIANÇA:-Eu ficarei muito triste desde a hora em que mais não vou voltar a ver-Te.
DEUS:-Vais ter muita sorte com o teu anjo que sempre te falará de Mim e te ensinará a melhor maneira de Me veres e ouvires, sempre que quiseres.

NESSE MOMENTO HÁ MUITA PAZ NO CÉU, MUITAS VOZES NA TERRA QUE SE PODEM OUVIR!
DEUS COLOCA MAIS UMA OBRA DO SEU AMOR NA TERRA.
A criança estende os braços para o céu,sentindo-se sem protecção
CRIANÇA:- Ó Deus, agora que me sinto já na terra,ainda não sei falar com os homens. Diz-me o nome do anjo a quem poderei pedir ajuda e socorro!
DEUS:-Meu filho, esse anjo é simplesmente tua heroica MÃE!
Não tenhas medo e confia.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

DOMINGO XXIV DO TEMPO COMUM

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

NATIVIDADE DE NOSSA SENHORA

terça-feira, 7 de setembro de 2010

PALAVRA DO SENHOR PARA O DIA DE HOJE COM OS ARAUTOS DO EVANGELHO

Evangelho segundo São Lucas 6,12-19
12Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos
Terça-feira, 7 de Setembro de 2010.
SANTO DO DIA: São Clodoaldo ou São Cloud, Sacerdote; Santos Marcos Crisino, Estêvão Pongracz e Melquior Grodziecki, presbíteros e mártires
Primeira Leitura: Primeira Carta aos Coríntios 6,1-11
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:
Irmãos: 1Quando um de vós tem uma questão com um outro, como se atreve a entrar na justiça perante os injustos, em vez de recorrer aos santos? 2Será que ignorais que os santos julgarão o mundo? Ora, se o mundo está sujeito ao vosso julgamento, seríeis acaso indignos de deliberar e julgar sobre questões tão insignificantes? 3Ignorais que julgaremos os anjos? Quanto mais, coisas desta vida! 4No entanto, se tendes dessas questões a resolver, recorreis a juízes que a igreja não pode recomendar. 5Digo isso, para confusão vossa! Será, então, que aí entre vós não se encontra ninguém sensato e prudente que possa ser juiz entre irmãos? 6Ao invés disso, irmão contra irmão vai a juízo, e isso perante infiéis! 7Aliás, já é uma grande falta haver processos entre vós. Por que não suportais, antes, a injustiça? Por que não tolerais, antes, ser prejudicado? Pelo contrário, vós é que cometeis injustiças e fraudes, e isso contra irmãos! 9Porventura ignorais que pessoas injustas não terão parte no reino de Deus? Não vos iludais: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem pederastas, 10nem ladrões, nem avarentos, nem beberrões, nem insolentes, nem salteadores terão parte no reino de Deus. 11E vós, isto é, alguns de vós, éreis isso! Mas fostes lavados, fostes santificados, fostes justificados pelo nome do Senhor Jesus Cristo
e pelo Espírito de nosso Deus.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus

Salmo 149
Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembléia dos fiéis! Alegre-se Israel em Quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos, com louvores do Senhor em sua boca Eis a glória para todos os seus santos.
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 6,12-19
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:
12Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; 16Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. 17Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judéia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor



Comentário ao Evangelho do dia feito por Bem-aventurada Teresa de Calcutá (1910-1997)
Fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade
Não há maior amor (a partir da trad. Il n'y a pas de plus grand amour, Lattès 1997, p. 24)
«Jesus foi para o monte fazer oração e passou a noite a orar a Deus»
Os contemplativos e os ascetas de todos os tempos e de todas as religiões sempre procuraram a Deus no silêncio, na solidão dos desertos, das florestas, das montanhas. O próprio Jesus viveu quarenta dias em absoluta solidão, passando longas horas num coração a coração com o Pai, no silêncio da noite.

Nós próprios somos chamados a retirar-nos a espaços para um silêncio mais profundo, para um isolamento com Deus; a estar a sós com Ele, não com os nossos livros, os nossos pensamentos, as nossas recordações, mas num despojamento perfeito; a permanecer na Sua presença - silenciosos, vazios, imóveis, expectantes.

Não podemos encontrar a Deus no barulho, na agitação. Veja-se na natureza: as árvores, as flores e a erva dos campos crescem em silêncio; as estrelas, a lua, o sol movem-se em silêncio. O essencial não é o que possamos dizer mas o que Deus nos diz e o que Ele diz a outros através de nós. Ele escuta-nos no silêncio; no silêncio fala às nossas almas. No silêncio é-nos dado o privilégio de escutar a Sua voz:
Silêncio dos nossos olhos.
Silêncio dos nossos ouvidos.
Silêncio das nossas bocas.
Silêncio dos nossos espíritos.
No silêncio do coração,
Deus falará

PALAVRA DO SENHOR PARA O DIA DE HOJE COM OS ARAUTOS DO EVANGELHO


Evangelho segundo São Lucas 6,12-19
12Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos
Terça-feira, 7 de Setembro de 2010.
SANTO DO DIA: São Clodoaldo ou São Cloud, Sacerdote; Santos Marcos Crisino, Estêvão Pongracz e Melquior Grodziecki, presbíteros e mártires
Primeira Leitura: Primeira Carta aos Coríntios 6,1-11
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:
Irmãos: 1Quando um de vós tem uma questão com um outro, como se atreve a entrar na justiça perante os injustos, em vez de recorrer aos santos? 2Será que ignorais que os santos julgarão o mundo? Ora, se o mundo está sujeito ao vosso julgamento, seríeis acaso indignos de deliberar e julgar sobre questões tão insignificantes? 3Ignorais que julgaremos os anjos? Quanto mais, coisas desta vida! 4No entanto, se tendes dessas questões a resolver, recorreis a juízes que a igreja não pode recomendar. 5Digo isso, para confusão vossa! Será, então, que aí entre vós não se encontra ninguém sensato e prudente que possa ser juiz entre irmãos? 6Ao invés disso, irmão contra irmão vai a juízo, e isso perante infiéis! 7Aliás, já é uma grande falta haver processos entre vós. Por que não suportais, antes, a injustiça? Por que não tolerais, antes, ser prejudicado? Pelo contrário, vós é que cometeis injustiças e fraudes, e isso contra irmãos! 9Porventura ignorais que pessoas injustas não terão parte no reino de Deus? Não vos iludais: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem pederastas, 10nem ladrões, nem avarentos, nem beberrões, nem insolentes, nem salteadores terão parte no reino de Deus. 11E vós, isto é, alguns de vós, éreis isso! Mas fostes lavados, fostes santificados, fostes justificados pelo nome do Senhor Jesus Cristo
e pelo Espírito de nosso Deus.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus

Salmo 149
Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembléia dos fiéis! Alegre-se Israel em Quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos, com louvores do Senhor em sua boca Eis a glória para todos os seus santos.
R: O Senhor ama seu povo de verdade. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 6,12-19
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:
12Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; 16Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. 17Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judéia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor



Comentário ao Evangelho do dia feito por Bem-aventurada Teresa de Calcutá (1910-1997)
Fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade
Não há maior amor (a partir da trad. Il n'y a pas de plus grand amour, Lattès 1997, p. 24)
«Jesus foi para o monte fazer oração e passou a noite a orar a Deus»
Os contemplativos e os ascetas de todos os tempos e de todas as religiões sempre procuraram a Deus no silêncio, na solidão dos desertos, das florestas, das montanhas. O próprio Jesus viveu quarenta dias em absoluta solidão, passando longas horas num coração a coração com o Pai, no silêncio da noite.

Nós próprios somos chamados a retirar-nos a espaços para um silêncio mais profundo, para um isolamento com Deus; a estar a sós com Ele, não com os nossos livros, os nossos pensamentos, as nossas recordações, mas num despojamento perfeito; a permanecer na Sua presença - silenciosos, vazios, imóveis, expectantes.

Não podemos encontrar a Deus no barulho, na agitação. Veja-se na natureza: as árvores, as flores e a erva dos campos crescem em silêncio; as estrelas, a lua, o sol movem-se em silêncio. O essencial não é o que possamos dizer mas o que Deus nos diz e o que Ele diz a outros através de nós. Ele escuta-nos no silêncio; no silêncio fala às nossas almas. No silêncio é-nos dado o privilégio de escutar a Sua voz:
Silêncio dos nossos olhos.
Silêncio dos nossos ouvidos.
Silêncio das nossas bocas.
Silêncio dos nossos espíritos.
No silêncio do coração,
Deus falará

sábado, 4 de setembro de 2010

DOMINGO XXIII DO TEMPO COMUM

terça-feira, 31 de agosto de 2010

OS SETE SACRAMENTOS

domingo, 29 de agosto de 2010

A FORÇA DA HUMILDADE


A força da humildade
Nestes tempos globalizados em que vivemos, a palavra humilde teve seu significado distorcido para pobreza de espírito, ignorância, fraqueza. Sentidos que, na realidade, ela não possui. A palavra humilde vem do latim humile e, etimologicamente, quer dizer baixo, rente com a terra.
Segundo os hebreus, humildade é modéstia e reconhecimento, oriunda da palavra hebraica hodaa, que significa dizer muito obrigado a Deus. A humildade, ao contrário do que muitos pensam, não é depreciar a si mesmo, nem a ignorância com relação ao que somos, mas justamente o inverso; é o conhecimento exato do que não somos; é a aceitação plena dos próprios defeitos e qualidades sem a necessidade de invocar a vaidade. Na natureza, como todos sabem, tudo se transforma. Temos um grande exemplo de humildade quando as folhagens, frutos, animais mortos e troncos se decompõem, voltam para a terra em forma de adubo orgânico, nutrindo toda a vida à sua volta. Sob este prisma, cada um de nós, um dia, terá com certeza a sua oportunidade de ser humilde.
Mas no dia a dia, a verdadeira humildade é vista apenas nos processos de autoconhecimento avançados; é aquela em que o homem tem consciência plena de quem ele é - das suas habilidades, das suas qualidades e defeitos -, compreende, assim, a natureza da sua inferioridade, reconh ece seus limites, mas isto não o aflige; ele se esforça para atingir a excelência na busca incessante de seu aperfeiçoamento físico, mental e espiritual.
A humildade é a coragem de assumir que posso estar errado e exige a responsabilidade de aprender com as experiências e conhecimentos disponíveis ao seu redor. Segundo a filosofia judaica, se a tolerância é o motor da vida, a humildade é o seu combustível.
Juan Luis Lorda, professor de Antropologia na Faculdade de Teologia da Universidade de Navarra na Espanha, diz que quem ama a verdade, procura formar a consciência: conhecer os princípios morais, pedir conselho a pessoas corretas e com experiência; não considerar humilhante que nos corrijam. De fato, os outros observam-nos de fora e com mais objetividade do que nós mesmos. Também é preciso tirar experiência dos próprios atos, examinar-nos com freqüência (diariamente) e corrigir os erros. É preciso ser humilde para reconhecer os erros e retificar, mas isso nos dará uma grande sabedoria, e capacidade de ajudar os outros também.
Sendo assim, o autoconhecimento é a base da humildade. E um exemplo inverso disso é a declaração do jogador de futebol, o Português Cristiano Ronaldo no final de 2008, "Eu sou o Primeiro, o segundo e o terceiro melhor jogador de futebol do mundo". Quantos supostos Cristianos Ronaldos nós conhecemos na empresa e no mundo, aqueles que acham que resolvem tudo sozinhos. Experimente colocá-lo num jogo onde somente ele integrasse o time. Humildade é trabalho em equipe, é reconhecer que o outro é também peça fundamental do seu sucesso.
Também é aceitar que você não é perfeito tanto quanto o outro e por isso pare de julgar indiscriminadamente as pessoas ao seu redor, existem pessoas que nunca estão satisfeitas com nada, são eternas caçadoras de falhas e erros, li em uma revista certa vez, a seguinte declaração: "Caso você encontre quaisquer erros nesta revista, por favor, lembre-se que eles foram colocados ali de propósito. Tentamos oferecer algo para todos. Algumas pessoas estão sempre procurando erros e não desejamos desapontá-las".

MARTÍRIO DE SÃO JOÃO BAPTISTA-CANÇÃO NOVA


29 de Agosto
Martírio de São João Batista
Com satisfação lembramos a santidade de São João Batista que, pela sua vida e missão, foi consagrado por Jesus como o último e maior dos profetas: "Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João, o Batista...De fato , todos os profetas, bem como a lei, profetizaram até João. Se quiserdes compreender-me, ele é o Elias que deve voltar." (Mt 11,11-14)

Filho de Zacarias e Isabel, João era primo de Jesus Cristo, a quem "precedeu" como um mensageiro de vida austera, segundo as regras dos nazarenos.

São João Batista, de altas virtudes e rigorosas penitências, anunciou o advento do Cristo e ao denunciar os vícios e injustiças deixou Deus conduzí-lo ao cumprimento da profecia do Anjo a seu respeito: "Pois ele será grande perante o Senhor; não beberá nem vinho, nem bebida fermentada, e será repleto do Espírito Santo desde o seio de sua mãe. Ele reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus: e ele mesmo caminhará à sua frente..." ( Lc 1, 15)

São João Batista desejava que todos estivessem prontos para acolher o Mais Forte por isso, impelido pela missão profética, denunciou o pecado do governador da Galileia: Herodes, que escandalosamente tinha raptado Herodíades - sua cunhada - e com ela vivia como esposo.

Preso por Herodes Antipas em Maqueronte, na margem oriental do Mar Morto, aconteceu que a filha de Herodíades (Salomé) encantou o rei e recebeu o direito de pedir o que desejasse, sendo assim, proporcionou o martírio do santo, pois realizou a vontade de sua vingativa mãe: "Quero que me dês imediatamente num prato, a cabeça de João, o Batista" (Mc 6,25)

Desta forma, através do martírio, o Santo Precursor deu sua vida e recebeu em recompensa a Vida Eterna reservada àqueles que vivem com amor e fidelidade os mandamentos de Deus.

São João Batista, rogai por nós!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

SANTA TERESA DE CALCUTÁ, ROGAI POR NÓS E LEVA-NOS A AMAR O PRÓXIMO COMO VÓS

terça-feira, 24 de agosto de 2010

PENSAMENTOS PARA A LUTA


1- A vida só nos exige a força que possuímos. Só uma proeza é possível- Não termos de fugir.(Dag Hammarskjold)
2-Um homem faz o que deve- apesar das consequências pessoais, apesar dos obstáculos, apesar das pressões, apesar dos perigos- e essa é a base de toda a moral humana (John F. Kennedy).
3-Qualquer passo em direcção ao objectivo da justiça, requer sacrifício, sofrimento e luta.É o esforço incansável e o empenho apaixonado de indivíduos dedicados.( Martin Luther King)
4-AD ASTRA PER ASPERA ( para as estrelas através das tribulações) (Lema do estado do Kansas)
5- Sobrevivemos a todas as coisas- fome, sede, perda, dor, sofrimentos,, misérias, aflições e tristezas; a vida aflige-nos na alma e no corpo- mas não podemos morrer, embora doentes, cansados, fracos e extenuados.
Vede, tudo pode ser suportado.( Elizabeth Akers Allen)
6-Portanto, a aprendizagem dos últimos vinte anos terminou. O único juiz sou eu a dicidir os meus limites. Nos próximos vinte anos não existe nenhum limite.
Este tipo de consciência amadureceu o máximo que me é possível; o envelhecimento parou aqui. Agora limito-me a melhorar(Glória Naylor)
7- A perseverança não consiste numa corrida longa; consiste em muitas corridas curtas, umas após outras , no seu peregrinar (Walter Elliott).
8- Sou uma espécie de sanguessuga. Agarro-me ( William Shakespeare)
9-No coração do inverno aprendi, finalmente, que dentro de mim, dormia um verão invencível(Albert Camus)
19-Seremos realmente livres, não quando os nossos dias decorrem sem nenhum cuidado e as nossas noites sem nenhuma privação ou preocupação. Mas antes quando estas coisas exigirem a nossa vida e, mesmo assim, nos erguermos perante elas, nus e as desatarmos.(Khalil Gibran)

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

SANTA ROSA DE LIMA ROGAI POR NÓS





A personalidade de Santa Rosa de Lima, desde a infância, é impressionante. Nasceu em uma rica família espanhola que se transferiu para o Peru. Contudo, com a falência dos negócios da família, conheceram a miséria. Não quis ser freira. Foi aceita em uma ordem secular dominicana. Os pais, contrariados, já que a queriam casada, lhe impuseram os mais duros trabalhos domésticos para que desistisse da idéia. Aos 20 anos, professou os votos na Ordem Terceira de São domingos. Obteve a autorização do bispo, e com recursos próprios da venda de refinados bordados e costuras, mandou construir uma pequena cela ao fundo, no quintal da casa dos pais. Ali permaneceu até a morte, em 24 de agosto. É Padroeira da América Latina e das Filipinas, pela caridade para com os dessassistidos, principamente com pessoas pertencentes aos povos negros e índios. Leia mais….
…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..
Fonte: Spe Deus
Isabel Flores y de Oliva nasceu no dia 20 de Abril de 1586, na cidade de Lima (capital do Peru), no seio duma família numerosa e rica de origem espanhola. Contudo os negócios declinaram e ficaram na miséria.
Isabel foi o nome colocado no baptismo. Mais tarde foi mudado para Rosa, com a aprovação do Arcebispo local, ao saber que uma criança índia tinha visto o seu rosto como uma rosa: de facto, possuía feições rosadas e era muito bela mas desde cedo, tentou disfarçar a sua beleza: esfregava os olhos com pimentos e maltratava o rosto à força de vigílias e jejuns.

Curiosamente fazia penitências logo na sua infância que eram dissimuladas pelo seu carácter alegre e simpático. Era dotada para as artes: cantava, tocava harpa e viola, fazia versos e desenhava tanto no papel como no pano.

Rosa teve também desde logo uma grande inclinação para a oração e meditação, procurando exercitar as virtudes da paciência, da penitência e da alegria.

Já adolescente, enquanto rezava diante da imagem da Virgem Maria, decidiu entregar sua vida somente a Cristo. Os pais queriam casá-la e tinha vários pretendentes mas ela recusou, defendendo-se com o voto de virgindade que tinha feito muito cedo.

Ingressou na Ordem Terceira de S. Domingos, inspirada pela vida Santa Catarina de Sena. Dedicou-se, então, ao jejum, às severas penitências e à oração contemplativa, aumentando seus dons de profecia e prodígios. Os pais indignaram-se com as atitudes que Isabel adoptara e começaram a maltratá-la ocupando-a dos trabalhos mais duros da casa o que ela fazia sem se queixar e sem abandonar os seus exercícios de piedade.

Aos vinte anos, pediu e obteve licença para emitir os votos religiosos em casa e não no convento, como terciária dominicana.

Quando vestiu o hábito e se consagrou, mudou então o nome para Rosa e acrescentou Santa Maria, por causa de sua grande devoção à Virgem Maria, passando a ser chamada Rosa de Santa Maria.

Construiu uma pequena cela no fundo do quintal da casa de seus pais, levando uma vida de austeridade, de mortificação e de abandono à vontade de Deus. Passou a sustentar a família com as rendas e bordados que fazia, pois seu confessor consentiu que ela não saísse mais de sua cela, excepto para receber a Eucaristia.

A partir da tomada do hábito, imprimiu ainda mais rigor nas suas penitências. Começou a usar, na cabeça, uma coroa de metal espinhento, disfarçada com botões de rosas. Aumentou os dias de jejum e dormia sobre uma tábua com pregos. Estes são apenas alguns exemplos do que Rosa fazia por amor à Paixão de Cristo penitenciando o seu corpo

Vivendo em contínuo contacto com Deus, atingiu um alto grau de vida contemplativa e experiência mística, compreendendo em profundidade o mistério da Paixão e Morte de Jesus. É-lhe reconhecido o dom da profecia e penetração dos corações, o dom dos milagres e tinha êxtases com frequência e por vezes com duração de 48 horas e até de 62 horas!

Aos trinta e um anos de idade, em Abril de 1617, foi acometida por uma grave doença, que lhe causou sofrimentos e danos físicos até à morte (24 de Agosto).

Encontrando-se a morrer, olhava para a mãe aflita, que estava junto à sua cabeceira e, com alusão evangélica à parábola das 10 virgens disse-lhe: “Tenho de ser pontual; se não chegar à hora marcada, fechar-me-ão as portas como às virgens loucas” Fez sobre si o sinal da cruz e suspirou: “Jesus, Jesus, está comigo!”

Rosa foi beatificada em 1667 e canonizada a 12 de Abril de 1671 pelo papa Clemente X.

PALAVRAS DE SANTA ROSA LIMA RETIRADAS DE ESCRITOS:

“O Salvador fez ouvir a sua voz e disse com incomparável majestade:

«Saibam todos que à tribulação, se segue a graça; reconheçam que, sem o peso das aflições, não se pode chegar à plenitude da graça; compreendam que com o aumento dos trabalhos cresce simultaneamente a medida dos carismas. Não se deixem enganar: esta é a única escada verdadeira do paraíso, e sem a cruz não há caminho por onde se possa subir ao céu»

(…)Ó, se os mortais conhecessem o que é a graça divina, como é bela, nobre e preciosa, quantas riquezas encerra, quantos tesouros, quantas alegrias e delícias em si contêm!

(…) Ninguém se queixaria da cruz nem dos sofrimentos que porventura lhe advêm, se conhecesse a balança em que são pesados para serem distribuídos pelos homens”

“Oh, que daria eu por anunciar o Evangelho! Atravessaria cidades pregando a penitência, com os pés descalços, o crucifixo na mão e o corpo envolvido num cilício espantoso. Caminharia durante a noite gritando: deixai as vossas iniquidades. Até quando sereis como rebanhos aturdidos diante dos demónios? Fugi dos castigos eternos; pensai que há só um instante entre a vida e o inferno”

(Fontes: sites ‘Santopédia’ e’ Coisas de Santos’ com edição e adaptação de JPR)
Publicado por SpeDeus às 00:06.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

ORAÇÃO DE SÃO BERNARDO A NOSSA SENHORA






Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que jamais se ouviu dizer que algum daqueles que tem recorrido a vossa protecção, implorando o vosso auxílio, e reclamando o vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado, pois, com igual confiança, ó Virgem das virgens, como à Mãe recorro e de vós me valho e, gemendo sob o peso dos meus pecados, me prostro a vossos pés; não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus, mas dignai-vos de as ouvir propícia e me alcançar o que vos rogo. À vossa protecção recorremos, Santa Mãe de Deus, não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém.




Uma bela oração à Virgem Santíssima.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

TERRA QUEIMADA



Subi ao alto do monte.
A natureza sufocava
no negro que esfumava
vapores da terra queimada
sob o résteo horizonte.
O sol, fusco, vermelhava.

Pranteavam os pinheiros,
carvalhos e castanheiros,
pelos rebentos roubados
à idade aureolada
de verdes telas pujantes
à mistura, perfumados.
Agora caídos no chão
sob nacos de carvão,
sentires arrepiantes,
mostravam a malvadez
de tacanha mesquinhez
de quem ama desamores.
.
Subi aos fúnebres montes!
Distúrbios espalhados,
giestas de véus finados,
oravam nas pedras fendidas.
Dentre traições, horrores...
anciãos sufragavam dores
com a secura das fontes...
as mil forças investidas
pela sorte de suas vidas!
.
Numa previsão mundial
mais de chorar que rir,
ao meu coração, em degredo,
só apetece enterrar o medo
entre as cinzas da saudade
dos montes, em soledade!
-
De Maria do Rosário Guerra

ORAÇÃO DA NOITE COM O SENHOR DE TODAS AS HORAS

Senhor Jesus, sois realmente, o Único cumpridor de presença amiga em todas as ocasiões. Sois o BOM PASTOR que não estabelece diferenças nas suas ovelhas.Todas as contas que ajustas com cada uma delas, as pagas 100 /1. O importante é que na hora em que nos chamas estejamos prontos para fazer a tua vontade.Tu és o Caminho. a Verdade e a Vida. Dou-TE graças pela maneira como hoje me conduziste e por que meios utilizaste a Tua bondade e misericórdia. Não ajustaste qualquer denário comigo, a não ser que fosse dócil na Tua condução. Ao findar do dia creio que isso aconteceu. A propriedade que me mostraste creio tê-la vindimado. A colheita ainda não sei como será. Espero continuares com as Tuas regas e assim serei Tua servidora fiel até ao momento oportuno.ConTigo nunca estou só.
Como diz Santo Agostinho" Mesmo que eu caminhe nesta vida que é sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque Vós habitais no meu coração pela Fé e sei que agora estais comigo, para que depois da sombra da morte, também eu esteja conVosco"
Creio na Tua graça e favor que não encontro no humano na terra em que habito, Nele descreio cada vez mais e só por Ti quero que, a vida que me dás, continue.Perdôa esta aversão que vai neste coração.

Maria do Rosário Guerra

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

17º LIÇÃO DE CATEQUESE-QUE É A BÍBLIA?


A Bíblia é a palavra de Deus. Ela é uma colecção de livros catalogados, Divinamente inspirados e considerados pelas três grandes religiões dos filhos de Abraão, (além do cristianismo e do judaísmo, o islamismo). A Bíblia é uma biblioteca divina.
A palavra Bíblia é originária de uma planta que nascia e crescia espontaneamente às margens do Rio Nilo, chamada papiro. E a película ou folha, tirada do caule do papiro, chamava-se bíblos, palavra grega que significa livro, e o plural é biblion, em grego significa bíblia. Portanto, Bíblia quer dizer “coleção de livros”.

A Bíblia era escrita em tijolos assados, em papiro (filamento de uma planta), ou em pergaminhos (pele de ovelha). Esta escrita era realizada na cidade de Pérgamo, por isso que os livros eram chamados de pergaminho. As cópias mais antigas da Bíblia estão armazenadas na Biblioteca do Vaticano, na Itália, e no Museu Britânico.

A Bíblia também é conhecida como "Escrituras Sagradas" e está dividida em dois grandes testamentos: o antigo e o novo testamento. O Antigo Testamento contém 46 livros e o Novo Testamento 27 livros totalizando 73 livros. A palavra testamento significa aliança, contrato entre duas partes (Deus e a humanidade).

O Antigo Testamento conta a história do povo de Deus desde a criação do mundo até os profetas, a preparação para a vinda do Salvador e está dividido em quatro partes:

Pentateuco: Gênesis; Êxodo; Levítico; Números e Deuteronômio

Livros Históricos: Josué; Juizes; Samuel I e II; Reis I e II; Crônicas I e II; Esdras; Neemias; Macabeus I e II; Rute; Tobias; Judite e Ester

Livros Sapienciais: Provérbios; Jó; Eclesiastes; Eclesiástico; Sabedoria; Salmos e o Cântico dos Cânticos

Livros Proféticos: está divido em Profetas Maiores: Isaías; Jeremias; Ezequiel e Daniel. E Profetas Menores: Lamentações; Baruc; Oséias; Joel; Amós; Abdías; Jonas; Miquéias; Naum; Habacuc; Sofonias; Ageu; Zacarias e Malaquias

O Novo Testamento narra desde a vinda de Jesus até por volta do ano 100 com o falecimento do apóstolo São João. Possui 27 livros e está dividido em cinco partes:

Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João. Os Evangelhos contam o nascimento, a vida missionária, a morte, a ressurreição e a ascensão de Jesus Cristo.
Evangelho significa “Boa Nova” ou boa notícia. Jesus Cristo é a boa notícia, a palavra viva de Deus; “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.” Jo. 1, 14.

AXtos: O AXtos dos Apóstolos conta o nascimento da Igreja, a vivência das primeiras comunidades, e as viagens missionárias dos apóstolos e a expansão da Igreja por todo o mundo.

Epístolas Paulinas: Romanos; Corintos I e II; Gálatas; Efésios; Filipenses; Colossenses; Tessalonicenses I e II; Timóteo I e II; Tito; Filemôn e Hebreus

Epístolas Católicas ou Pastorais: Thiago; Pedro I e II; João I, II e III; e Judas

Apocalipse: Apocalípse

A Bíblia foi escrita em três idiomas: o hebraico para o Antigo Testamento e grego para o Novo Testamento, com exceção do Evangelho de São Mateus, que foi escrito em aramaico. Foi São Jerônimo quem traduziu os textos originais da Bíblia em grego e hebraico para o latim no ano 384. Esta tradução ficou conhecida como a Bíblia Vulgata Latina. Em 1546, o Concílio de Trento declara que é a única Bíblia autêntica e oficial no rito latino da Igreja Católica. No dia 30 de setembro a igreja celebra o dia de São Jerônimo, por isso, este mês foi escolhido pela Igreja para ser o mês da Bíblia. Foi dividida em capítulos, em 1228, pelo Cardeal Estevão Langton (1.333 capítulos), e em 1528 foi dividida em versículos pelo Frade São Pagnino (35.700 versículos). Os livros são abreviados para facilitar a escrita da citação. Aprenda as abreviaturas. Ela já foi traduzida em 1685 idiomas, portanto encontra-se em todos os países do nosso planeta.

A Bíblia começou a ser escrita no tempo de Moisés, que viveu ai pelo ano de 1250 a.C., quando o faraó Ramsés II governava o Egipto. E a última parte da Bíblia foi escrita no final da vida do último apóstolo, São João Evangelista, por volta do ano 100 d.C. Portanto a Bíblia foi escrita dentro de um longo período de aproximadamente 1350 anos.

Procure ler a Bíblia e encontre conforto para a sua vida. Para ler a Bíblia peça a Luz divina e procure seguir orientações dada pela igreja, guardiã da tradução bíblica que tem passado de geração em geração através dos Papas sucessores de Pedro.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

VIDA DE JESUS

JESUS RESSUSCITA E SOBE AO CÉU
JESUS MORRE NA CRUZ



MISSÃO SALVÍFICA-PREGAÇÃO

NASCIMENTO



FRATERNIDADE -JESUS ENCONTRA-SE COM JOÃO, AMBOS NOS SEIOS DE SUAS MÃES




ENCARNAÇÃO




 
Copyright 2009 Só Catequese. Powered by Blogger
Blogger Templates created by Deluxe Templates
Wordpress by Wpthemescreator
Blogger Showcase